Carta-Manifesto Novos Rumos da Flourish

A partir de agora a Flourish assume a visão: uma Cadeia de alimentação mais saudável, tanto na dimensão de como o alimento é produzido, quanto se faz bem para quem o consome, e apropria-se de sua vocação de Venture builder de negócios de impacto.

Quando fundei a Flourish [Negócios com Propósito], eu quis levantar uma bandeira e contar sobre um fenômeno que já havia sido deflagrado no mundo: o de negócios com alma, isto é, que questionavam algumas premissas de gestão dos negócios tradicionais, criando organizações e marcas adoradas por seus stakeholders e atraindo clientes engajados à suas causas.

A partir da oportunidade de um mergulho investigativo sobre o assunto em 2011, que teve como resultado uma dissertação de mestrado, senti que este era o tema que me movia, principalmente o desafio fazer um negócio crescer, mantendo os sonhos e ideais das suas primeiras etapas. Como, então, algumas empresas poderiam “crescer com propósito e ter propósito para crescer”? Eu tentava encontrar a fórmula dessa sutil equação.

Com esta visão, e a partir de alguns encontros com pessoas que entenderam a mensagem, recebi o convite do fundador do Laticínio Verde Campo, empresa inovadora em um setor bastante tradicional, para fazer parte de seu conselho. Essa experiência me permitiu ouvir o eco e entender a repercussão de algumas mensagens e práticas para revelar e aprofundar a busca e comunicação do propósito de um negócio – case publicado.

Mas sem perceber, a Flourish já era também a minha nave mãe de negócios de que eu fazia parte, que eu havia co-fundado em minha jornada empreendedora anterior trabalhando no mais espetacular dos laboratórios de inovação de negócios que conheci no Brasil, o Instituto Inovação. Rizoflora e Ecovec, empresas criadas nessa fase, traziam como características de seus negócios a possibilidade de gerar alto impacto positivo para as pessoas e para o mundo, sendo que a primeira permitiria uma redução drástica do consumo de agrotóxicos, e a segunda reduziria o número de casos e mortes de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Para completar a fase de inovação tecnológica, registrei em um livro toda a saga que mistura as histórias do Instituto Inovação e da Rizoflora, para que o grande público, principalmente empreendedores e estudantes, pudesse aprender com uma história real: Inovação na raiz – uma jornada empreendedora a partir da universidade brasileira. Uma jornada que também permite refletir sobre a importância do propósito para levar adiante, até as últimas consequências, um projeto de inovação.

 

Venture Builder

Em paralelo ao lançamento do livro, decidi pelo investimento em um primeiro negócio de impacto: o Café Abraço. À medida que o Café Abraço ia tomando forma, o modelo de negócio da Flourish também se revelava. Entendi que o papel da empresa e o meu seria o de Venture builder. Aqui vai a minha própria definição dessa expressão: alguém que está entre o empreendedor e o investidor anjo; que co-empreende o negócio sem tirar o protagonismo do empreendedor-fundador do negócio, mas que tem o discernimento para trazer e agregar competências, com o olhar de quem já trilhou o caminho. O Venture builder pode também desempenhar o papel do anjo investidor, pois pode precisar dar liquidez ao negócio em seus estágios iniciais.

O Café Abraço, com sua visão de criar Uma cadeia produtiva do café mais justa e mais saudável é, ao mesmo tempo, veículo para realização da missão da Flourish e um rico laboratório de aprendizados. O próximo passo será a Flourish capitanear uma rede de investidores que possam investir em projetos como o do Café Abraço, por meio do qual pretendemos lançar o café de origem singular de mais de 100 pequenos produtores em até cinco anos.

Como ouvi recentemente em um evento de “finanças do bem”, cada vez mais, precisamos ser coerentes em nossas escolhas, seja na hora de consumir, seja na hora de investir o nosso dinheiro – é no alinhamento de nossas ações que construiremos o mundo que queremos.

 

Gustavo Mamão

Fundador Flourish

___

OBS: Por um mundo mais real e menos superficial, com conteúdos mais relevantes, decidi que a Flourish não trabalhará como a rede social Facebook. Todas as postagens e atualizações serão feitas no site da Flourish e comunicadas pelo meu LinkedIn.